14 de setembro de 2013

Soneto para Orfeu

 
 
Só aquele cuja lira luminosa
ecoou nas sombras
poderá um dia restaurar
seu infinito louvor

Só aquele que comeu
papoulas com os mortos
nunca voltará a perder
aquela suave harmonia.

Mesmo que a imagem
nas águas se enevoe:
Conhece e aquieta-te.

No Mundo Duplo
todas as vozes ganham
eterna suavidade.

Rainer Maria Rilke
Postar um comentário