15 de outubro de 2011

Mulheres Sábias


Não sou defensora de sexos, muito menos puxo a sardinha pro lado de algum deles. Eu me relaciono com o que é saúdavel, com o que cria possibilidades de experienciar, de viver, de descobrir outra forma de crescer,de ir de encontro comigo mesma, minha vida não gira em torno do Planeta chamado Homem... Fui condicionada por longos anos a acreditar nos valores de família, sociais, etc... cumpri com maestria tudo que exigiram e eu acreditava ser o certo, comportar-me  como uma boa moça, subjungando a mim mesma. A ficar na espera de príncipes, do bom rapaz, do bom marido e por aí vai. Dei de cara com uma locomotiva em alta velocidade... com o pouco que sobrou construi do zero minha nova existência. Quando acordei percebi que o  mundo evoluiu e as pessoas permaneciam nos seus estados de pensar e sentir, e é aqui que as coisas pararam de funcionar do jeito que imaginávamos. Estamos na força contrária a proposta desse mundo que evolui, tentando desesperadamente manter o passado em nossas formas de viver.  Sim, Vivemos uma epidemia e isso por si só já nos diz que muita coisa tem que morrer na área dos relacionamentos, e todos que insistirem em manter seus padrões e seus nós continuarão a se decepcionar cada vez mais em seus relacionamentos atuais. Não se trata só de fazermos uma escolha por um ou outro homem mais ou menos pior, se trata de uma mudança de paradigma, de abrir mão do controle, do desejo de só ser feliz se eu tiver um homem do meu lado, isso é se valorizar minimamente, de dar o poder de nossa busca de ser feliz, na mão de um outro humano, é dar nossas rédeas pra outro assumir o comando sobre o que precisamos para continuar existindo. Amar e ser amado é muito mais que isso.

Estar sozinha e se sentir de bem com a vida também é possível, é saúdavel, dá muito tesão também, é permitir-se amar-se longas horas do dia, descobrindo que podemos fazer coisas que ao lado da responsabilidade de que um relacionamento exige, teríamos que deixar de lado no presente momento... é preciso dar este espaço de interiorização por um bom tempo, sem esse tempo nada diferente acontece, é necessário mudança de frequência de pensamento, é permitir que algo novo nos contamine com sentimentos e pensamentos nunca vivenciados, é a morte de crenças que carregamos e alimentamos por toda nossa vida. Não é só concluir que o problema esta nos homens, e como eles pensam e agem  com as mulheres, não se trata de encontrar os culpados por nossa infelicidade amorosa, a questão vai muito além disso, de o feminino ir em busca de seu resgate, de sua verdadeira essência, é um chamado que todas as mulheres estão sendo convocadas, de irem  ao encontro de seu mais profundo ser, de  fazerem as pazes com sua alma , irem de encontro a sua matriz, conhecer a sabedoria da velha sábia que vive dentro de cada uma de nós...basta olhar com os olhos da alma,  e pararmos com essa lamentação, com o excesso de drama de sermos as vítimas do mundo masculino. O mundo masculino está tão doente e efermo quanto o mundo feminino, e com quase nenhuma ajuda para sair da lama grossa em que se encontra... eles diferentes de nós mulheres não enxergam saídas desse pântano, e sofrem calados em grande maioria sua dor por viverem num mundo que não permite a eles pedirem por ajuda...por vergonha , orgulho e  medo.
Finalizo com trechos de Clarissa Pinkola Éstes do livro
"Ciranda das Mulheres Sábias" :
"A vida de uma mulher não precisava e não precisa ser assim, tolhida e retalhada para abrir caminho para outra coisa de valor duvidoso. Há outros modos de viver sua vida e deixar outras vidas em paz; de se harmonizar, de chegar ao pleno florescimento por toda parte...Dentro da psique de muitas mulheres existe algo que entende intuitivamente que o conceito de "curar" está incluído na palavra "saúde". Quando ferida, ela se torna "cheia de cura" - cheia de recursos de cura -, o que significa que algum filamento vibrante, gerador de vida, no seu espírito e na sua alma se move persistentemente na direção da nova vida, seja na busca de muitos tipos de forças, seja na reconstituiçao da integridade perdida, seja na criação de um novo tipo de integridade, diferente da que havia antes."

*Com toda essa riqueza disponível dentro de cada mulher nenhum homem poderá assumir tamanha responsabilidade de tornar uma mulher feliz, isso seria covardia por parte do feminino... para a mulher que tem esse conhecimento misterioso: da existência de uma guardiã subterrânea, nenhuma comprovação se faz necessária. Para aquelas que não tem esse conhecimento, não há comprovação no mundo que  consiga convencê-la.

Não é fácil fazer mudanças, mas sem elas sabemos que nada vai mudar também... então é preciso por a mão na massa, molhar esse barro endurecido que estamos cansados de olhar e tocar, dissolver e dar uma nova forma, uma forma que nos agrade mais... usar a nossa criatividade interior e esperar o que ela vai nos trazer. Tudo começa do pequeno e caminha para algo maior, neste tempo de criar aproveite para sentir o novo se mostrar timidamente no começo, ganhar força, forma... não acelere o processo, o tempo é sábio e junto com a energia da vida vai levar-nos para onde devemos ir.
O distante nunca está longe, ele pode ser apreendido no agora, e pra isso basta ter olhos para ver, ouvidos para ouvir, humildade e vontade de experienciar no aqui e no agora... o que dificulta é o medo ao qual damos maior valor do que ele realmente é.
 LúKháyyám
Postar um comentário